quarta-feira, outubro 24, 2007

Fala sério...

Estrutura do WCT Brasil 2006, patrocinado por uma certa cerveja. Foto: Beda Batista.

Esse texto foi publicado ontem pelo meu amigo e surf repórter Máurio Borges no Alohapaziada. Como o Máurio é um cara versátil que está há anos envolvido com o esporte, pode ter certeza: "Onde há fumaça, há fogo."
"Trazidas pelo vento sul...

Enquanto isso nos bastidores...

O que dizem eu não afirmo (1)
Que o Secretário dos Esportes, Eduardo Paes, dispunha de todo o dinheiro necessário – cerca de 1 milhão de reais – em mãos, para bancar a etapa brasileira do WCT 2007 na cidade maravilhosa...
O que dizem eu não afirmo (2)
Que Carlos Perrone, o “homem” da Pepper, agência de comunicação e marketing que cuida da conta da cervejaria Schincariol era quem estava “colocando areia” para que o Teco & Cia perdessem o prazo e consequentemente o direito da realização da etapa brasileira junto a ASP e assim levar as disputas para o Rio de Janeiro com a Cerveja Nova Schin e a Billabong na parada ...
O que dizem eu não afirmo (3)
Que a Billabong, através do seu presidente no Brasil, também por baixo dos panos, mexia com os seus pauzinhos e tentava negociar junto a ASP tirar o WCT de Santa Catarina...
O que dizem eu não afirmo (4)
Que o empresário Alfio Lagnado da Hang Loose resolveu segurar a onda aos 45 minutos do segundo tempo e bancar a etapa esse ano no Sul e depois levá-la para Noronha...
O que dizem eu não afirmo (5)
Que o Governador catarinense Luiz Henrique da Silveira vai fazer de tudo para manter nos próximos anos o WCT na praia da Vila em Imbituba...
O que dizem eu não afirmo (6)
Que saiu “alguma coisa” na edição de aniversário da Revista Fluir – Out 2007 (Coluna Bombando), sobre os momentos de indefinição da etapa, das saídas da Nova Schin e da Billabong, e da confirmação por parte da Hang Loose como patrocinadora oficial do WCT Brasil...
O que dizem eu não afirmo (7)
Que lá na Europa – durante a prova francesa do WCT, foi comentado que o meu texto publicado no site waves ..."Alfio Maravilha faz mais um pra gente ver"... foi coisa de puxa saco e de baba ovo...
Dizem que sete é conta de mentiroso... Quem? Eu?"
Beda Batista
2B Surf

2 comentários:

Eduardo Rosa disse...

Beda e Maurio
Ando meio afastado do meio, apenas pegando onda. Tenho pouco comentado sobre surf nos últimos anos. Mas uma coisa posso dizer a vocês. É muito pouco interessante para grandes empresas - tanto do surf quanto outras - realizar etapas do mundial no sul do país. E explico o que voces já devem saber; O público presente em uma etapa de campeonato por aqui, não é comparável ao que assiste os campeonatos lá pelo sudeste, o que eu discordo, é claro. As ondas por aqui, apesar de muito melhores, muitas vezes não aparecem na época certa, ou o campeonato está fora da época das ondas. Isto é a opinião deles. Vejamos o OP Pro que aconteceu em janeiro de 94, vencido por Tadeu Pereira. Trazer a estrutura de um mega evento desta natureza de São Paulo prá cá é realmente caro, mesmo já tendo a estrutura física pronta por aqui.
Para as grandes empresas do surf e as empresas que almejam patrocinar um campeonato deste porte, e as que estão fora do meio, retorno é imprescindível. O que vem acontecendo com nosso estado, é que a época não está ajudando muito. Tanto é, que o Manager da ASP, Renato Hickel já cogita a possibilidade de alterar a data no próximo ano, fazendo assim com que ela aconteça em junho, julho ou agosto, época em que para ele, quebram maiores ondas. Outro motivo, que deve ser levado em consideração é que a nossa etapa, hoje, é a que menos dá onda em relação as outras; é a que não rola em fundo de pedra ou coral, ou, então, a que não está em um pico da Austrália ou dos Estados Unidos, ou do Tahiti, ou seja voltado para o Oceano Pacífico. Ainda assim, temos as melhores e maiores ondas do Brasil, na praia da Vila, não deixando de ser considerada internacional também. Mas as grandes ondas desejadas para este campeonato por 5 em cada 2 locais ainda não apareceram. Só há um porém este ano. A visão ou a sorte de Alfio Lagnado, proprietário da Hang Losse. O homem obteve exito e contou com muita sorte em tudo que fez até hoje. Agora que ele pode no próximo ano levar a etapa prá outro lugar do Brasil, isto é indiscutível. Mas se der muita onda, acho muito difícil. Mas que muita gente ainda faz o que quer e o que pensa no meio do surf, isto também é verdade. E serve como motivo para nosso esporte deixar de crescer ainda mais. A puxada de tapete não aconteceu, e não vamos nunca saber o que realmente rolou nos bastidosres. A única coisa que temos hoje, é esta etapa acontecendo em nossa área, o que também acho um disperdício o aproveitamento feito desta oportunidade. Mas isto é a minha opinião sobre um assunto paralelo que não vem ao caso neste momento. Valeu pela preocupação tua e do Maurio e parabéns pelo teu blog que tá show.
Conheces a G21? Se não, pergunta pros caras da Rádio Surf.
Abraço camarada.
Surf Alway
Eduardo Rosa

Nativo disse...

Sei lá galera...mas essa parada de WCT ja está até perdendo a graça...e tanta gente querendo se benificiar em cima disso, ter estatos, no mínimo tem corrupção no meio... é pessoal, a corrupção não é só em Brasília mas está no mundo do surf tb!

Tomara que o CT saia daqui, assim crowdeia menos... E que esses Paulistas, Cariocas vão para a "PQP". Enfiem esse CT no seus "C"

Att.
Nativo